O Banco Central lançou nesta quarta-feira, 6, uma função para o programa “Calculadora do Cidadão“, que vai mostrar o custo de financiamentos feitos via cartão de crédito. A calculadora está disponível no site do BC ou por meio de aplicativo para dispositivos móveis.

O consumidor pode colocar no programa o valor da fatura, taxa de juros medida pelo Custo Efetivo Total (CET, disponível na fatura) e valor que deseja pagar no vencimento. O software calcula, então, o custo para adiar o pagamento do valor restante e faz uma comparação com outras linhas de crédito.

Uma pessoa que deseja pagar R$ 500 de uma despesa total de R$ 1 mil, financiando o restante com CET de 10% ao mês (213,84% ao ano), por exemplo, verá a seguinte mensagem: “Leva 2,1 parcelas de R$ 500,00 por mês até quitar a sua fatura de R$ 1.000,00 do cartão de crédito. Vai custar no total R$ 1.055,00, sendo R$ 55,00 de juros. Pagando dessa forma, você fez uma dívida chamada ‘crédito rotativo’.” Abaixo, aparece também o custo das linhas de crédito consignado (R$ 9,24), pessoal (R$ 26,28) e cheque especial (R$ 41,41) para o mesmo financiamento.

Marcelo Thomaz de Aragão, chefe de Subunidade do Departamento de Tecnologia da Informação do BC, afirmou que o consumidor também pode mudar o valor a ser pago para ver a vantagem de fazer um esforço maior e uma dívida menor. “Existe uma preocupação com a resiliência desse tipo de crédito e de cuidar para que não suba junto com o aumento desse meio de pagamento”, afirmou.

Banco-do-Futuro

A calculadora foi criada em 1999 e já estava disponível para dispositivos móveis desde o final de 2012. Agora foi adicionada essa nova função. Também é possível calcular financiamentos, correção de valores e valor futuro de investimento, por exemplo.

Segundo o BC, são hoje 110 mil usuários em dispositivos móveis (considerando os downloads em um ano), mais 105 mil acessos no site por mês. Para dispositivo móvel, o aplicativo gratuito pode ser baixado nas lojas Google Play e App Store.

 

Fonte: Exame


Cadastre-se

RECEBA AS NOVIDADES SOBRE TECNOLOGIA E MERCADO BANCÁRIO