A tecnologia bancária está se aprimorando cada vez mais rápido e as instituições precisam se adequar a esse novo contexto. Diversas ferramentas estão revolucionando o setor e podem ser aplicadas no dia a dia dos bancos para aumentar a produtividade, melhorar a satisfação do cliente e automatizar os processos.

No post de hoje vamos tratar de 6 ferramentas que você deve conhecer e pensar em aplicar na sua instituição financeira agora mesmo. Quer saber quais são elas? Acompanhe!

1. Automação de fluxos

A automação de processos leva à melhoria nos fluxos de trabalho, ao aumento da produtividade e à elevação da segurança. Em um banco é obrigatório executar as atividades corretamente e fazer as validações necessárias por parte da gerência. Assim pode-se identificar gargalos e criar alertas em caso de atrasos.

Entre as atividades que podem ser automatizadas estão as consultas a sites internos e externos, identificação de documentos, check-list das atividades manuais da formalização ou até mesmo um simples envio de e-mails, cobrança de prazos, as solicitações para a gerência e a alta gestão, entre outras. O resultado é um desempenho melhor das funções e o foco dos colaboradores no atendimento aos clientes e atividades estratégicas.

Ao mesmo tempo, há uma mudança na visão dos colaboradores, que priorizam o “como fazer” e verificam quais atividades podem ser otimizadas. Desse modo, obtém-se economia de tempo e de recursos.

A automação de processos e fluxos já é uma realidade nas instituições financeiras. Na realidade, está deixando de ser um item diferencial para ser obrigatório. Portanto, se você ainda não adotou essa ideia, comece agora mesmo.

2. Robotização

Os robôs deixaram de ser um item do futuro e do cinema para se tornar uma realidade. No dia a dia nem sempre percebemos isso, mas a robotização está presente até mesmo nas centrais de atendimento, já que os usuários falam com robôs e chatbots.

Essa tecnologia permite melhorar muito o atendimento bancário e possibilitam uma maior proximidade com os clientes. A robotização está presente nos caixas eletrônicos, nos Serviços de Atendimento aos Clientes (SACs), nos aplicativos e em outros processos.

Por isso, é imprescindível que a sua instituição ofereça serviços que contem com essa tecnologia. Ela facilita o trabalho dos colaboradores e oferece mais autonomia para os clientes, que podem executar diferentes ações sem precisar contar com o suporte de um funcionário.

Além disso, os profissionais qualificados podem se voltar para atividades realmente estratégicas e concentrar seus esforços, evitando desperdício de tempo e recursos. A consequência é escalabilidade, velocidade e segurança.

3. Chatbot

Os chatbots são robôs que interagem com seres humanos. Eles são usados para o atendimento e consistem em softwares que podem receber e interpretar comandos. Com isso, eles conseguem dar respostas automáticas e resolver vários problemas.

O chatbot tem tudo a ver com a inteligência artificial. É essa tecnologia que permite que os robôs sejam aprimorados e respondam corretamente aos estímulos fornecidos pelos usuários. No mundo bancário, essa tecnologia já vem sendo utilizada.

Dois exemplos são a MasterCard e o Bank of America — em 2016 eles indicaram que usariam chatbots para se relacionar com os clientes. A ideia era oferecer um serviço de perguntas e respostas sobre as contas-correntes.

Porém, esse recurso também pode ser usado para iniciar operações, oferecer aconselhamento financeiro, possibilitar o controle de orçamento pessoal e realizar pagamentos.

Sugerimos a leitura do e-Book: Guia Completo sobre Chatbots

4. Mobile banking

O mobile banking refere-se ao uso de dispositivos móveis para acessar a conta-corrente. De acordo com uma pesquisa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a participação do mobile banking saltou de 20% em 2015 para 34% em 2016. Em 2014, era de apenas 10%.

Essa é uma das tecnologias mais viáveis dentro da chamada Era de Transformação Digital. Para os bancos, ela representa uma forma de se aproximar dos clientes, de oferecer um atendimento personalizado e de melhorar a experiência do consumidor.

O mobile banking é uma realidade nos bancos, mas ainda há alguns desafios que podem ser trabalhados. Entre eles estão:

  • transformar o mobile banking em um canal transacional, ou seja, aumentar as vendas por meio do aplicativo bancário;
  • melhorar a usabilidade das aplicações mobile, evitando que o consumidor se sinta inseguro e deixe de usar o aplicativo;
  • lidar com as ameaças à segurança da informação, criando atualizações que permitam acabar com as falhas de vulnerabilidade e aumentando a segurança dos usuários.

5. Automação de atividades manuais

Nessa categoria estão enquadradas duas tecnologias principais: Optical Character Recognition (OCR, ou Reconhecimento Ótico de Caracteres) e machine learning. A primeira é uma ferramenta que reconhece letras e números em um arquivo impresso e transforma os dados em um documento digital.

A vantagem é que os documentos (arquivos em PDF, papéis escaneados ou imagens captadas por câmera digital) podem ser editados pelo computador ou outro dispositivo. O OCR permite aumentar a produtividade e melhorar os processos bancários, porque os documentos podem ser identificados automaticamente e as informações podem ser comparadas.

Também há mais eficiência e rentabilidade no serviço. Os colaboradores conseguem ter resultados mais positivos e podem extrair informações mais rapidamente — como nomes, endereços, números e taxas dos documentos.

Já o machine learning aprimora a avaliação de riscos e automatiza a oferta de serviços e produtos. A consequência é o oferecimento de itens adequados ao consumo do cliente.

Essa tecnologia também pode ser chamada de rede neural, porque o sistema aprende conforme a experiência do usuário e desenvolve o comportamento baseando-se em dados empíricos. Em resumo: é possível oferecer um atendimento ainda mais personalizado ao cliente. Uma sugestão é a ferramenta Atomics da Simply, acesse ao Trial aqui.

6. Inteligência artificial

Essa tecnologia permite atender melhor os clientes e se adequar às suas necessidades. Isso porque ela prevê a capacidade de replicar a lógica de raciocínio humana por meio da interpretação feita por máquinas e softwares.

Isso possibilita projetar agentes inteligentes, que interpretam melhor o contexto que estão inseridos e conseguem tomar melhores decisões. Ou seja, é uma forma de executar de maneira mais eficiente as atividades que os seres humanos fazem.

Em um banco, isso representa aumento de produtividade sem deixar de lado a qualidade. Os erros e falhas podem ser facilmente corrigidos e atualizados, assim o tempo de capacitação dos colaboradores torna-se menor.

A inteligência artificial, de modo mais simples, já vem sendo utilizada pelos bancos, mas a tendência é que seja aprimorada e comece a ser adotada para atividades mais complexas. Não fique fora dessa!

Gostou de conhecer as 6 ferramentas que estão revolucionando a tecnologia bancária? Aproveite e saiba mais baixando o e-book “8 tendências que definem o banco do futuro”. Até breve!


Cadastre-se

RECEBA AS NOVIDADES SOBRE TECNOLOGIA E MERCADO BANCÁRIO